No mês de Abril, a Casa do Choro preparou uma programação repleta de artistas conceituados no universo do samba e choro. As apresentações acontecem sempre às quartas, quintas e sextas-feiras, às 19h. Os ingressos custam R$ 40 e R$ 20 a meia-entrada.

1/3

Crédito da imagem: Maycon Soldan

Anabela

2/3

Crédito da imagem: divulgação

Ana Costa e Carrapicho

3/3

Crédito da imagem: Camila Albuquerque

Sandra Duailibe

  • Crédito da imagem: Maycon Soldan

    1/3

    Anabela

  • Crédito da imagem: divulgação

    2/3

    Ana Costa e Carrapicho

  • Crédito da imagem: Camila Albuquerque

    3/3

    Sandra Duailibe

Confira a programação do mês de março na Casa do Choro:

  • 4 de abril - Sandra Duailibe | Sandra Dualibe canta Nana
Sandra Duailibe se prepara para interpretar canções gravadas por Nana Caymmi. A idéia partiu do próprio público ao perceber a química que flui entre as duas intérpretes, com vozes românticas e interpretações intensas. No repertório, músicas que consagraram Nana como uma das maiores cantoras brasileiras. Dentre elas, “Fruta Mulher”, de Vevé Calazans e “Resposta ao Tempo”, de Cristóvão Bastos e Aldyr Blanc, gravadas por ambas. Dorival Caymmi será lembrado e dentre as músicas escolhidas estão “Só Louco” e “Nem eu”. Outros grandes compositores também fazem parte do show:  Paulo César Pinheiro, Vinicius de Moraes, Roberto Carlos, João Donato. Sandra será acompanhada ao piano por Fernando Merlino e na percussão, por Edinho Silva.

Participação especial: Antenor Bogéa

  • 5 e 6 de abril - Deo Rian | Lançamento do CD "Memórias de um bandolim", com Deo Rian e Regional Imperial
No CD “Memórias de um Bandolim”, Déo Rian presta uma homenagem ao centenário de Jacob do Bandolim, apresentando composições inéditas suas e do seu mestre. No show de lançamento, Déo Rian se apresentará com o lendário instrumento que pertenceu a Jacob do Bandolim e que foi utilizado por ele no show que realizou com Elizeth Cardoso, no Teatro João Caetano, em 1968. O CD é uma coprodução do Instituto Jacob do Bandolim. Déo Rian recebeu o acompanhamento do Regional Imperial, liderado pelo jovem e virtuoso violonista João Camarero, em um encontro de gerações, mostrando que o choro segue em frente cada vez mais representativo.

Ficha Técnica: Déo Rian Regional Imperial: João Camarero (violão de 7 cordas), Lucas Arantes (cavaquinho), Guilherme Girardi (violão de 6 cordas), e Rafael Toledo ( pandeiro).

  • 11 de abril - Candombaile, de Fernando Leitzke
Fernando Leitzke e o Candombaile apresentam o seu show pela primeira vez na Casa do Choro. Juntos, trazem o repertório latino americano, em especial os candombes uruguaios e boleros cubanos, além de composições próprias de Eduardo Neves, Guto Wirtti e do próprio Leitzke. É um resgate do que era feito nos antigos Candombailes em Montevidéu, onde surgiu essa ideia de misturar sopros, baixo e percussão de uma forma instrumental.

Fernando Leitzke piano / Eduardo neves sax e flauta / Rui Alvim clarinete / Aquiles moraes trompete / Guto Wirtti baixo / Marcus Thadeu bateria / Fabricio Reis percussão

  • 12 de abril - Renato Braz e Mário Gil
Parceiros há quase três décadas Renato Braz e Mário Gil se unem para um show inédito, interpretando parcerias de Mário Gil e Paulo César Pinheiro - como Outro Quilombo e Anabela - entre outras pérolas do cancioneiro brasileiro.

Radicado em São Paulo desde 1983, o compositor e violonista mineiro Mario Gil tem 3 CDs autorais lançados: "Luz do Cais" de 1993; “Contos do Mar” de 1998, que apresenta um trabalho temático em parceria com o letrista Paulo César Pinheiro e lhe rendeu o Prêmio Ary Barroso, na categoria Compositor; e “Comunhão” de 2007. No início do ano passado, junto a quatro artistas e três  gerações distintas, Dori Caymmi, Breno Ruiz, Renato Braz e o cantor português Roberto Leão, lançaram o CD "Mar Aberto". A canção Mar Aberto, uma parceria de Breno Ruiz com Cristina Saraiva, deu o título ao disco por representar, de alguma maneira, o diálogo entre as diferentes gerações que o compõe e também por ser uma metáfora precisa do elo intercontinental presente na escolha do repertório, na origem do próprio disco e nas raízes da canção brasileira. Nos últimos anos, suas atividades têm se concentrado na produção e direção musical de diversos trabalhos, além de apresentações, como compositor, em teatros e casas de espetáculos.

Renato Braz é uma das referências obrigatórias no atual cenário da música brasileira. Vencedor do 5º Prêmio Visa de MPB no ano de 2002, sua carreira vem sendo cada vez mais reconhecida nacional e internacionalmente. Seu disco de estreia, Renato Braz (1996), lhe rendeu uma indicação ao Prêmio Sharp como melhor disco na categoria revelação. Com seu 5º CD, Por Toda a Vida (2006), ganhou o Prêmio Rival Petrobras na categoria Cantor Popular. Em 2012 lançou seu 6º CD, Casa de Morar, um álbum de canções inéditas, com enfoque especial nos compositores de sua geração como Fred Martins, Mario Gil, Zé Renato e Claudio Nucci, além dos compositores que mais influenciaram seu trabalho como Dori Caymmi, Theo de Barros e Gilberto Gil. Em 2014 lançou  os álbuns "Silêncio" – Um Tributo a João Gilberto, com Nailor Proveta e Edson José Alves e "Canela", CD gravado com o quarteto de violões Maogani, dedicado a composições latino americanas. Sua carreira internacional começou em 1999, com turnê por várias cidades da Alemanha. Em 2008 fez sua estreia no Japão participando de um concerto no Triphony Hall em Tokyo. Pela gravadora americana Living Music, gravou o CD "Saudade" lançado em 2015 no Japão e Estados Unidos. O CD foi produzido pelo saxofonista americano Paul Winter. “Saudade” ainda não foi lançado no Brasil.

  • 13 de abril - Anabela | Show “Minha Poesia”
No show “Minha Poesia” a cantora Anabela apresenta composições do letrista Roberto Didio em parceria com Cristovão Bastos, Delcio Carvalho, Edu de Maria, Miguel Rabello, Moacyr Luz e Renato Martins. Sendo o letrista mais gravado nos dois discos de carreira da intérprete, este show também apresenta músicas inéditas e parcerias inéditas do compositor.  O repertório propõe roteiro diversificado em gênero, que passa por samba, canções, ciranda, maxixe e marcha rancho. A música "Minha Poesia”, parceria com Delcio Carvalho e gravada no segundo disco de Anabela, dá nome ao show e marca a presença de grandes melodistas parceiros de Roberto Didio. Destaque para três participações especiais no show: Amelia Rabello, Renato Braz e Miguel Rabello. O objetivo é apresentar para o público autores e intérpretes que vem construindo uma obra poética e musical de grande qualidade e bastante elogiada.

Anabela voz / Ana Rabello cavaquinho / Julião Pinheiro e Edu de Maria arranjos e violões / Magno Júlio e Marcus Thadeu percussão

Participações especiais: Amelia Rabello, Renato Braz e Miguel Rabello

  • 18 de abril - Prosápia Fulgurante

O show é um passeio musical pela obra do artista plástico carioca Paulo Villela através de composições inspiradas em seus trabalhos, assinadas por Maurício Carrilho, Marcílio Lopes, Jayme Vignoli, Pedro Paes e Paulo Aragão.

Pedro Paes clarinete e saxofone / Marcílio Lopes bandolim / Jayme Vignoli cavaquinho / Paulo Aragão e Mauricio Carrilho violões / Marcus Thadeu percussão
  • 19 de abril - Chapéu de palha - homenagem a Jacob do Bandolim e Altamiro Carrilho

Valdir Silva violão de 7 / Patrick Angello violão / Marcus Tadeu percussão / Tomaz Retz flauta

Da camaradagem e do convívio de músicos que atuavam no antigo “Projeto Seis e meia” do Teatro João Caetano, nasce o conjunto musical Chapéu de Palha em 1977.

O grupo Chapéu de Palha, formado por Valdir Silva, Patrick Angello, Marcus Tadeu e Tomaz Retz, comemora o seu retorno aos palcos em clima festivo, com um show de celebração dos cem anos do icônico Jacob do Bandolim, aproveitando também a deixa para fazer um tributo ao saudoso Altamiro Carrilho. O repertório é variado, abrangendo os grandes sucessos e as músicas não tão conhecidas.

  • 20 de abril - Cacai Nunes

Foi no clima manso de sua chácara nos arredores de Brasília, que Cacai Nunes gravou seu terceiro disco, “Cacai Nunes e Regional Chora Viola” (2017), todo dedicado ao choro. O álbum é uma homenagem ao estilo, mas sai do óbvio e traz músicas que marcaram a vida do violeiro. Ele explica que queria fugir do “lado A” do choro e por isso, temos Paulinho da Viola, em “Sarau para Radamés”; Dominguinhos, no “Chorinho pro Miudinho”; Zé Toledo, em “Cuidado Violão”, Garoto, em “Vamos Acabar com o Baile” e  Ernesto Nazareth, em “Floraux”, entre as escolhidas. Incluiu, ainda, um belo baião de Carreirinho, “Ai amor”, um tradicional compositor caipira. Apenas “Assombroso”, de Léo Benon é inédita e a composição “Lobo Guarânia”, de Cacai Nunes, é uma reinterpretação, já que havia sido gravada em seu segundo disco, Casa do Chapéu (2013). Outro diferencial do disco é que a viola é tradicional e claro, o principal instrumento do álbum. O artista usa a afinação “cebolão”, muito utilizada entre as duplas caipiras e uma das afinações mais consagradas entre os violeiros do país. Já a capa de Carmen San Thiago é uma homenagem a Brasília e aos encontros musicais que a cidade possibilita. Na apresentação na CASA DO CHORO, Cacai estará acompanhado por Dudu Sete Cordas no violão de 7 cordas, Léo Benon no cavaquinho e Lorenzo Andraghetti no pandeiro.

Nascido em Pernambuco, Cacai foi criado em Brasília. Iniciou seus estudos de viola caipira em 2001, tendo estudado com Marcos Mesquita e Roberto Corrêa, com quem trabalhou, em seguida, fazendo a revisão de parte de sua obra que foi publicada no livro Composições. Estudou, também, com o mestre Alencar 7 Cordas, responsável por alavancar o interesse pela harmonia funcional na música popular. Cacai Nunes vem se destacando no cenário da música instrumental ao agregar novas possibilidades para a viola brasileira.

  • 25 de abril - Francisco Pellegrini e Fernanda Paulo

“Delicado, profundo, visceral. Brasil e Portugal.

O inexplicável sabor da amálgama musical.

Uma voz sem sotaque de samba, um piano sem sotaque de fado. Apresentações, jantares, vinho, tapioca… A magia do não planejado. De um lado, a curiosidade pelas raízes; de outro, da miscigenação; Dos dois, o gosto pelo desconhecido.”

De um frutífero encontro da cantora portuguesa Fernanda Paulo com o pianista brasileiro Francisco Pellegrini, nasceu ‘Delicado’. O disco celebra a tradição e universalidade do Fado através de canções históricas portuguesas, fados além mar, e, claro, fados clássicos. Um repertório emocionante que ganha nova vida com esta instrumentação, inusual para o estilo, e com as interpretações primorosas do duo. A estréia no Rio se dará em uma data mais que oportuna, no dia de comemoração da Revolução dos Cravos, momento de celebrar a liberdade e a vida.

  • 26 de abril -  Choros Alambicanos, de Mauricio Carrilho + lançamento dos livros Guia de Degustação de Cachaças e Cachaça – Prazer Brasileiro, de Marcelo Câmara

No próximo dia 26 de abril, o Rio e a Música Brasileira irão celebrar o aniversário do festejado músico, compositor, arranjador, pesquisador, professor Maurício Carrilho. A data será comemorada no Instituto Casa do Choro, do qual ele é o Vice-Presidente, com a primeira apresentação da série Choros Alambicanos. O show traz composições de Maurício que homenageiam as nove melhores Cachaças do mundo, no julgamento categorizado do jornalista e escritor Marcelo Câmara (www.ilhaverde.net/rankings), considerado, internacionalmente, “o maior especialista em Cachaças”. Marcelo é cachaçólogo (estudioso da bebida), pingófilo (amante e bebedor da boa pinga), consultor de Cachaças que atende à produção e ao mercado, do plantio da cana ao consumo do destilado, e degustador profissional de Cachaças, o primeiro a se profissionalizar no mundo, o único com atividade regular no mercado. Marcelo e Maurício são amigos, pingófilos militantes, refinados, e apaixonados pela Música Brasileira, especialmente por choros. Após o show, Marcelo Câmara irá

autografar dois novos livros de sua autoria, publicados pela Editora Mauad X: o primeiro é a “Ficha de Degustação de Cachaças Marcelo Câmara”, como os outros livros de Marcelo, obra de vanguarda, pioneira, ousada, única no mundo. O segundo livro a ser lançado no dia 26 de abril na Casa do Choro é a segunda edição, revista e ampliada, daquela que é tida como a melhor, a mais básica e informativa obra sobre a Cachaça. Trata-se do livro, esgotado há cinco anos, “Cachaça – Prazer Brasileiro”, legendado pelo mercado como “a pequena bíblia da Cachaça”.

  • 27 de abril - Ana Costa e Carrapicho Rangel | Lançamento do CD “Do Começo ao Infinito”
Ana Costa, conceituada cantora, compositora e instrumentista carioca está lançando seu quinto cd ao lado de Carrapicho Rangel, jovem músico bandolinista radicado em São Paulo. O cd DO COMEÇO AO INFINITO é um projeto inusitado que une voz e bandolim como ponto central no universo de sambas, sambas canções, valsas e choros. O espetáculo será uma mostra das composições do cd intercalando com músicas populares de grande conhecimento do público em geral, que foram compostas para o instrumento, no caso, o bandolim. Dentre as inéditas o duo apresenta parcerias da cantora com João Cavalcanti, Zélia Duncan, Magali, Marcelo Caldi dentre vários nomes que compõem a cena de compositores da atualidade. O cd tem 11 faixas que foram construídas e arranjadas a partir da sonoridade do bandolim de 10 cordas possibilitando o acompanhamento, saindo do papel meramente de instrumento solo, resultando aí numa gama de possibilidades estéticas. Com uma trajetória de sucesso, Ana Costa lançou três CDs e um DVD em homenagem ao seu padrinho musical, Martinho da Vila. Este último, lançado em novembro de 2015, lhe rendeu indicação como melhor cantora de samba no Prêmio da Música Brasileira de 2016, a terceira indicação. Ana iniciou sua carreira solo sendo eleita Revelação no 5º Prêmio Rival Petrobras de Música e considerada “um dos talentos de 2006”, por Antonio Carlos Miguel. Em seguida, foi convidada para ser a cantora da música-tema “Viva Essa Energia” dos jogos Panamericanos 2007, junto com Arnaldo Antunes. Como diria o finado Mestre Marçal na sua curiosa forma de expressão, vem “provando o mingau pela beirada do prato”, conduzindo a carreira consciente do próprio valor e das próprias possibilidades de êxito. Ana Costa já mostrou “seu carnaval” e já mirou “novos alvos”, já afirmou que “o hoje é o seu melhor lugar” e convidou a todos para viajar “pelos caminhos do som”.
  • Confira também:

Paulinho da Viola e Marisa Monte fazem show na Quadra da Portela

Programação de março na Casa do Choro

04 Abr
a
27 Abr

De 4 a 27/04:   Quartas,  Quintas e  Sextas às 19:00

Casa do Choro
Rua da Carioca, 38 Centro Rio de Janeiro - RJ (21) 2242-9947
Estação do Metrô da Carioca
R$ 40; R$ 20 a meia-entrada