Abril foi escolhido pelo Samba em Rede para homenagear o choro, essa expressão musical genuinamente brasileira. O gênero mais antigo e rico da música instrumental, presente desde o século 20 em todas as regiões do país, é celebrado neste dia 23.

Por isso, selecionamos 27 perfis de grandes mestres figuras do choro brasileiro. Lembrando que esta iniciativa não pretende comparar ou esgotar os exemplos considerados símbolos de preservação do gênero musical - restando, ainda, muitas histórias a serem contempladas.

  • Confira a lista abaixo:

Pixinguinha, um batuta carinhoso

Romeu Silva, maestro internacional

Luperce Miranda, pernambucano virtuose do bandolim

A maestrina, compositora e pianista Chiquinha Gonzaga

Maestro Radamés Gnattali

Dante Santoro, o canário rio-grandense

Nabor, professor de clarineta

Tia Amélia, piano brasileiro com tempero pernambucano

Joaquim Callado , o 'pai do choro'

João da Bahiana e o pandeiro no choro

Ernesto Nazareth e seu piano brejeiro

Maestro Anacleto de Medeiros

Zezinho do Banjo, o Zé Carioca

Benedicto Lacerda, flautista de Macaé

Armandinho Neves, violão bom de bola

Ratinho, virtuose do sax

Luiz Americano, mestre do sopro

Francisco Mignone, o Chico Bororó

Bonfiglio de Oliveira, trompetista de Guaratinguetá

Sátiro Bilhar, violão boêmio

Violão de Américo Jacomino, o Canhoto

Heitor Villa-Lobos, um clássico chorão

José Rielli, chorão sanfoneiro de Itu

Tute e o violão de sete cordas no choro

Octávio Dutra, o gaúcho professor do Choro

Patápio Silva, um virtuoso da flauta

Zequinha de Abreu: choro paulista para o mundo

Eventos imperdíveis no Dia do Choro e São Jorge no Rio de Janeiro